Especial | Cenas de sexo explícito no cinema

Vale tudo na arte de atuar?

Por Raphael Camacho | 21 de outubro de 2013


Cada um de nós morre uma única e escassa vez. Só o ator é reincidente. O ator ou a atriz pode morrer todas as noites e duas vezes aos sábados e domingos”, dizia o jornalista e escritor Nelson Rodrigues. Por causa das polêmicas cenas de sexo e declarações após o atual vencedor da Palma de Ouro em Cannes, La Vie d’Adele, do cineasta tunisiano Abdellatif Kechiche, e do burburinho em torno de Ninfomaníaca, de Lars Von Trier, resolvemos criar uma saudável discussão sobre os limites da atuação.

Às vezes, vemos imagens tão fortes no cinema e imaginamos se aquilo é uma encenação ou realmente é filmado na íntegra, sem cortes ou dublês. O público reage de diversas maneiras a essas insinuações, mas a situação incomoda para muitos espectadores por conta da condução real da ação dos atores. Abaixo, relacionamos alguns filmes mais polêmicos, com cenas de sexo verdadeiras, no cinema. Leia e dê a sua opinião!

Em 1976, o cineasta japonês Nagisa Oshima lançou um dos seus filmes mais polêmicos O Império dos Sentidos. O longa, censurado em muitos países, contém relações sexuais reais – a maioria entre o ator chinês Tatsuya Fuji (Jinsei, irodori) e a atriz japonesa Eiko Matsuda (Cinq et la peau). A obra mostra diversas performances de sexo oral e a inserção de um ovo em uma vagina. Com esses pequenos detalhes, já podemos imaginar o rebuliço causado pela produção numa década cheia preconceitos cinematográficos.

Dirigido pelo italiano Tinto Brass (Paprika) – famoso por seus filmes com alto conteúdo sensual -, chegou aos cinemas em 1979 mais uma obra polêmica. Interpretada pelo sumido Malcolm McDowell, Calígula contém imagens de várias relações sexuais explicitas, inclusive uma cena de verdadeiro swing com penetrações e sexo oral. O roteiro é de Gore Vidal (O Psicólogo).

Já no século XXI, em 2004, o espanhol 9 Canções recebeu elogios da crítica especializada, mas não deixou de chocar o público. Dirigido pelo britânico Michael Winterbottom (O Assassino em Mim), o longa conta a história de uma amor carnal transpassado por nove canções. Várias cenas de sexo entre Margo Stilley (Um Louco Apaixonado) e Kieran O’Brien (O Olhar do Amor) incluem penetração, felação e ejaculação do ator.

No cult Shortbus (2006), de John Cameron Mitchell (Reencontrando a Felicidade), vários atores – inclusive a cantora Sook-Yin Lee (Toronto Stories)-, executam atos sexual reais em frente às câmeras. A personagem de Lee é a mais interessante do filme, uma terapeuta sexual, que nunca teve um orgasmo. O filme choca e apresenta cenas de relação homossexual e autofelação. Apesar das cenas explícitas, o filme é inteligente e vai muito além do sexo.

Em 2008, o diretor dinamarquês Lars Von Trier deixou a plateia de Cannes em pânico com o lançamento de O Anticristo. Logo na primeira cena do filme, uma câmera lenta foca uma penetração vaginal, além disso, a personagem de Charlote Gainsbourg decepa o seu clitóris com uma tesoura. É um filme idolatrado por alguns e odiado por outros. Não tenha dúvidas de que Von Trier é atualmente o cineasta mais polêmico no cinema. Seu próximo filme Ninfomaníaca promete cenas tão fortes quanto.

Neste ano, o público foi surpreendido por mais uma sexualmente polêmica obra. O drama francês La Vie d’Adèle, adaptação da HQ francesa Le bleu est une couleur chaude (2010), conta a história da descoberta do amor aos olhos de uma menina de 15 anos. O polêmico longa de Abdellatif Kechiche inclui cenas de sexo reais com as atrizes Léa Seydoux (Adeus, Minha Rainha) e Adèle Exarchopoulos.

O que vocês acham disso tudo? Deixe seus comentários!

Tags:, , , , , , , ,

Comentários

  1. *uma coisa tão natural e inerente aos seres humanos,não deveria causar rebuliço ,desde que tenha limite de idade e aviso prévio do que se ira ver , este modo de polemizar é fruto de nossa criação judaico/católica ,que ver o sexo como pecado.por isso fica tão difícil principalmente nos nossos filmes focar em temas tão ricos.eu gosto quando osexo aparece nos filmes, como parte da história *

  2. Adriano disse:

    Acho válido se tiver o contexto, concordo com o comentário anterior, a polêmica existe por esse conceito errado que a maior parte da sociedade sempre dá ao sexo, como algo do mal e vergonhoso. Deveríamos antes ter receio as cenas de violência e guerras tão comuns e vendidas aos montes sem quase nenhuma censura.

  3. Fê Fernandes disse:

    Concordo com o Deocleciano moura faiao e acho cansativa todo esta tentativa polemizar o que é natural ao ser humano.
    E o complemento do Adriano então, que lembra como as pessoas naturalizam mais a guerra que o sexo.
    Apesar de tratar como tabu as mortes naturais.
    O ser humano me espanta, com certeza.
    Eu assisti quatro dos filmes listados acima e nenhum dos Jogos Mortais.
    Há uma inversão ou disfunção dos valores.
    Talvez se o sexo e a nudez não fossem tratados como um tabu tão grande, tivéssemos menos crimes sexuais. As pessoas mal sabem se comportar diante de um par de tetas, apesar de quase todos terem mamado nelas no começo da vida.

  4. Camila disse:

    Acho lindo quando as cenas são bem feitas.
    O sexo faz parte da nossa vida como qualquer outra ação que fazemos, pq não retratar-lo em filmes também?!

  5. Jeff Dom disse:

    O sexo só é mau, quando usado como instrumento de poder, dominação e escambo.Fora isso, é um jogo infantil, com brinquedos que Deus nos presenteou.

  6. marzia disse:

    Quando queremos dizer que alguém se deu muito mal nós dizemos que a pessoa “se fud..”; quando queremos mandar uma pessoa para uma situação bem ruim mandamos ela “tomar no c*” e quando nos vangloriamos sobre outra pessoa dizemos “chupa fulano!”…Enfim, sempre associamos sexo há algo duro, ruim, nojento. Não é pecado, nem necessidade fisiológica como dizem alguns, já que podemos viver muito bem (e talvez até melhor sem), também não é amor e muito menos carinho. É instintivo a provoca prazer, mas como associamos a tudo o que há de ruim, muitos sentem vergonha e repulsa de ver, é tão natural quanto o próprio ato.

  7. Acho o sexo interessante quando é feito por amor e com a pessoa certa!

  8. Higor Ferreira disse:

    Concordo com o que foi citado acima a respeito da tentativa de polemizar um ato mais que natural! So acho desnecessário cenas explicitas afinal onde fica a arte? São atores não? Existem técnicas interpretativas assim como tecnicas de planos adequados para mostrar uma cena perfeita!

    Assisti o Anticristo e achei um pouco pesado!!

  9. Hola, soy de Monterrey, México. No hablo portugués, pero estoy sorprendido de lo mucho que creo haber entendido en el contenido de este artículo.
    Genial.

  10. Raylson disse:

    Muito bom principalmente quando é com a pessoa que gostamos….

  11. Fernando Monteiro disse:

    Excelente texto. Parabéns. Só não entendi o que quis dizer com “o sumido Malcolm McDowell”. O cara faz parte do elenco da série The Mentalist. Recentemente teve papéis importantes nas séries Heroes e Entourage e ainda, segundo o IMDB, está envolvido em nada menos que oito produções cinematográficas em processo de finalização a serem lançadas entre esse ano e o ano que vem. Me espantou o comentário, pois se tem um ator que não está sumido, esse é o Malcolm McDowell.

Deixe seu comentário

Publicidade